Quimioterapia Branca e Vermelha

A diferença entre a quimioterapia vermelha e a branca é o medicamento utilizado. A quimioterapia vermelha é a que emprega medicamentos do grupo das antraciclinas, das quais as mais usuais são a epirrubicina e a doxoorrubicina, que são compostos vermelhos, como a inclusão do “rubi” no nome indica.

A quimioterapia branca engloba uma série de outros medicamentos, incluindo a ciclofosfamida, os taxanos (docetaxel e paclitaxel), a gencitabina e a vinorelbina.

Embora popoularmente difundido, não há especificamente nenhuma correlação entre a cor e a potência das drogas, nem com seus eventos adversos. A diferença entre elas, está em seu mecanismo de ação de cada uma das substâncias, o seu perfil de efetividade e a toxicidade, que podem ser potencializados ao se combinar as drogas em “esquema” ou “protocolos”.

A escolha do protocolo de tratamento depende da situação clínica do paciente, do estadiamento da doença, da fase do tratamento, da realização ou não de tratamentos prévios, etc. Por isso, que mesmo pacientes com o mesmo diagnóstico podem ter tratamentos distintos.

 

Atenção: É permita a reprodução deste artigo desde que citada a fonte.
Fonte: Viver hoje